+ Direito da Informática

Blogue complementar ao Direito na Sociedade da Informação LEFIS

quinta-feira, abril 27, 2006

 

"Sistemas de videovigilância também visam condutores que não pagam portagens"

"A Assembleia da República vai debater amanhã uma proposta de lei sobre a utilização de sistemas de vigilância electrónica nas auto-estradas como forma de controlar o trânsito, prevenir acidentes e detectar condutores que não pagaram portagens.
A proposta de lei 59/X regula a instalação e utilização de sistemas de vigilância electrónica nas estradas através de câmaras de vídeo ou fotográficas, de sistemas de localização e de radares de velocidade. Tanto a Estradas de Portugal (EP) - que gere a rede rodoviária nacional- como as concessionárias das auto-estradas estão autorizadas a gerir estes sistemas com fins de segurança rodoviária, mas também de 'apreciação e detecção de situações relacionadas como o pagamento e falta de pagamento de taxas de portagem', designadamente para a aplicação de coimas.
As imagens captadas pelas câmaras de vídeo e outra informação recolhida permitirão controlar o tráfego, prevenir acidentes em contramão e acelerar a assistência a vítimas.
A proposta de lei do Ministério da Administração Interna autoriza a EP e as concessionárias a tratar dados pessoais recolhidos através da videovigilância electrónica e de sistemas de informação de acidentes e incidentes. No caso da informação disponibilizada pelas câmaras de vídeo e radares, os dados pessoais só podem ser conservados por seis meses. Em relação ao registo de acidentes, os dados pessoais (identificação dos condutores e veículos envolvidos) poderão ser guardados num prazo máximo de cinco anos.

Direito à intimidade
Os dados pessoais estarão acessíveis às forças de segurança, tribunais, Direcção-Geral de Viação e à EP. O diploma autoriza ainda a cedência de imagens de monitorização do tráfego a operadores de televisão e de comunicações, desde que a transmissão seja efectuada em condições que não afectem o direito à imagem e a intimidade da vida privada das pessoas.
Neste ponto, o relator do parecer elaborado pela comissão parlamentar de assuntos constitucionais sobre a proposta de lei, Nuno Magalhães (CDS-PP), considera que o teor da lei não dá todas as garantias de preservação da vida privada. O deputado lamenta que o Governo 'tenha optado pelo recurso ao conceito vago e indeterminado'.
Os funcionários que tenham de lidar com os dados pessoais obtidos nestes sistemas ficam sujeitos ao sigilo profissional. A fiscalização do diploma cabe à Comissão Nacional de Protecção de Dados.
A proposta de lei será debatida amanhã na generalidade, depois de ter sido discutida na especialidade. " (Sofia Rodrigues- Público, 27/04/2006)

Archives

Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Agosto 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?